Best Of Curtas Vila do Conde

25ª edição do Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema

Data Hora
Qui 21 Set 21:30
Realizador
Vários
Público
M/12
Duração
70 min.
Género
Curtas metragens

Best Of Curtas Vila do Conde

25ª edição do Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema

Uma seleção dos filmes premiados na 25ª edição do Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema.

MY BURDEN
Niki Lindroth Von Bahr · Suécia · 2017 · ANI · 13′
Prémio Animação (Competição Internacional)

Neste carrancudo e absurdo musical encenado algures na Suécia, a música funciona como redentora da letargia e tristeza existencial deste conjunto de personagens. Num hotel cujos hóspedes são sardinhas, num restaurante sem clientes servido por roedores, num call-center cujos operadores são macacos e num supermercado vazio abastecido por um canino repositor de produtos, o apocalipse é um sedução libertadora.

RETOUCH
Kaveh Mazaheri · Irão · 2017 · FIC · 19′
Prémio do Público Nieeport (Competição Internacional)

Esta obra mais recente do iraniano Mazaheri revela um mergulho no Irão contemporâneo, com as dinâmicas de uma família a refletirem os fantasmas e tabus de todo um país. Uma composição psicológica das personagens como seres complexos, movendo-se nas zonas cinzentas, é aqui materializado na figura de uma misteriosa mulher que, de repente, toma uma das mais importantes (e drásticas) decisões da sua vida.

SURPRESA
Paulo Patrício · Portugal · 2017 · ANI/DOC · 9′
Prémio do Público SPA (Competição Nacional)

Animação documental que tem como base uma conversa gravada entre mãe, Joana, e a filha, Alice, com três anos de idade e a recuperar de um cancro do rim. Ao longo da conversa falam, de uma forma muito aberta e franca, sobre a doença, o presente, as lutas e conquistas de ambas.

OS HUMORES ARTIFICIAIS
Gabriel Abrantes · Portugal/Brasil · 2017 · FIC · 29′
Prémio BLIT para Melhor Realizador (Competição Nacional)

Através do cruzamento entre a estética de Hollywood e as estratégias do documentário, o filme acompanha uma jovem indígena do Parque Natural do Xingu até São Paulo, onde se apaixona por um robot em vias de se tornar um comediante de stand-up. Esta é uma história singular que mistura a antropologia do humor, comunidades indígenas e inteligência artificial.